O peso do pássaro morto -Aline Bei

Já faz um tempinho que li este livro, mas não poderia deixar de comentar sobre ele aqui. Eu já tinha ouvido falar bastante sobre esse livro e a autora Aline Bei, pois ele foi vencedor do prêmio São Paulo de literatura. Com a difícil situação do mercado editorial no país, Aline entrou em contato comigo através do instagram me oferecendo a oportunidade de adquirir o livro autografado diretamente com ela e foi o que eu fiz…

Aline traz um texto poético, ao mesmo tempo em que é belo e delicado, é forte e impetuoso.

É uma história sobre perdas e de que forma nós permitimos ou não que essas perdas moldem a nossa vida, mas tem uma questão da mulher também que toca fundo no nosso âmago.

Li muitas resenhas sobre esse livro e penso que “o peso do pássaro morto” cabe em todas elas, acho lindo perceber que em cada impressão do leitor descubro algo novo que faz todo sentido na história. Abaixo, transcrevo para vocês a experiência que tive com o livro há alguns meses atrás e compartilhei no instagram tendo inclusive recebido um feedback da autora, que aliás é sempre muito simpática e que me deixou muito feliz…

De escrita diferente, dando a impressão de poesia, mas sendo prosa, é igualmente eficaz e impactante. O livro narra a história de uma personagem sem nome, o que nos remete ao anonimato, imposto por uma sociedade ainda muito longe de ser justa com as mulheres. Cheio de melancolia e emoção contida, as perdas vividas por essa mulher dos 8 aos 52 anos à transformaram no grande vazio que ela é agora…. Sutil e ao mesmo tempo forte e doloroso, me fez refletir em como é difícil ser mulher ainda hoje em nossa sociedade!

Se você ainda não leu, leia, garanto que será uma leitura muito agradável…

Aguardando ansiosa seus próximos livros…

Anúncios

Uma curva no tempo / Dani Atkins

Este livro foi uma grata surpresa, pois não é o tipo de livro que costuma me chamar a atenção, mas depois de ver alguns vídeos de booktubers, acabei ficando curiosa e gostando muito.

 

A história se passa em setembro de 2008 na cidade de Great Bishopsford, Rachel Wiltshire e seus amigos vão para a faculdade em diferentes lugares e portanto se separarem, então se reúnem num restaurante para a despedida. Porém durante o jantar,um carro desgovernado quebra a vidraça e invade o restaurante atingindo a mesa onde estavam. Rachel só conseguiu se safar pois seu amigo Jimmy acaba morrendo para salvá-la. Passam-se cinco anos e Rachel ainda guarda seqüelas físicas e emocionais, ela se culpa pela morte de Jimmy, ficou com uma grande cicatriz no rosto que ela esconde com o cabelo, sente fortes dores de cabeça, vive isolada e sua vida é completamente diferente do que ela planejara, nem a faculdade de jornalismo que era seu sonho ela fez. Agora eles estão prestes a se reencontrar num jantar que vai acontecer antes do casamento de Sarah, sua melhor amiga. Rachel só aceita ir mesmo porque sabe que Sarah faz questão de sua presença, mas acaba ficando ansiosa para reencontrar todos inclusive Matt seu antigo namorado, que acaba confessando a ela nesse jantar que nunca à esqueceu mesmo estando com outra pessoa. Já faz algum tempo que Rachel está adiando as consultas médicas para realizar novos exames devido as dores de cabeça em decorrência do acidente. No dia em que volta do jantar, ela resolve encarar os fatos e vai pela primeira vez visitar o túmulo de Jimmy, mas ela acaba passando mal e desmaiando no cemitério. Quando acorda está no hospital,   e fica sem entender nada, pois seu pai que estava com câncer e muito abatido, parecia curado, Jimmy está vivo e ela agora é noiva de Matt, trabalha como jornalista e tem um emprego conceituado. Então ela tenta a todo custo convencer a todos que aquilo não pode ser verdade, que sua realidade era outra bem diferente e os médicos à   diagnosticam com amnésia. E agente vai especulando para saber o que de fato aconteceu.

 

A escrita de Dani Atkins é muito gostosa e se for curioso (a), vai ler o livro facilmente em um dia. O final é um tanto óbvio, mas a história é tão bem escrita e envolvente que em momento algum pensei nesse desfecho. É emocionante e muito bonito.

Fiquei curiosa para ler outros livros da autora.

 

A capa é linda soft touch, da editora Arqueiro.

IMG_4570[1]

 

 

 

 

 

O caderno de Noah ou Diário de uma paixão…

Nicholas Sparks não é propriamente o que possamos chamar de um “grande escritor”, mas ele sabe contar boas histórias de amor e plagiando uma amiga minha, “é daqueles livros que a gente lê, quando está com preguiça de pensar” e quer um bom passa tempo.
Eu particularmente prefiro o título “O caderno de Noah”, esse livro fez muito sucesso, vendeu horrores e por muito tempo ficou esgotado, até ser editado novamente com o título “Diário de uma paixão” pela editora Novo Conceito.

“Não sou nada especial, disso estou certo. Sou um homem comum. Não há monumentos dedicados a mim e o meu nome em breve será esquecido, mas amei outra pessoa com toda a minha alma e coração e, para mim, isso sempre bastou.” Noah Calhoun

Assim começa a história de Noah Calhoun e Allison Nelson, tudo se passa em 1946 na Carolina do Norte. Noah mora na cidade e Allison vai passar férias com a família, os dois se conhecem ainda bem jovens e se apaixonam. Porém, como todo bom romance, as coisas não são tão simples, Noah sempre foi um homem trabalhador, bom caráter, gentil e amoroso, mas isso não bastava a família de Allie, para eles faltava o mais importante, dinheiro e uma boa posição social. Sendo assim, eles desaprovavam a relação dos dois e quando perceberam que a situação estava se intensificando, acabaram com as férias e foram embora levando Allie. Ambos ficaram muito abalados e prometeram que se corresponderiam por cartas, até que pudessem se reencontrar e casar. Mas Allie nunca recebeu as cartas que Noah escreveu durante um ano, pois sua mãe não permitia que essas cartas chegassem até ela, com isso, os dois pensam que um esqueceu o outro e resolvem seguir com a vida.
Allie fica noiva e depois de muitos anos vê uma foto de Noah num jornal, isso mexe muito com ela, pois eles nunca se esqueceram, então ela decide procurar Noah para por um ponto final nessa história, mas acontece justamente o contrário, depois de tudo explicado, ela termina o noivado e escolhe ficar com Noah. Os dois vivem muito felizes, os anos passam, a idade chega, e aí começa a parte mais triste e comovente da história. É simplesmente tocante o tamanho se me permitem assim dizer, do amor que Noah sente por Allie e tudo que ele se propõe a fazer, para ter mais um momento que seja, ao lado da mulher amada e, para quem duvidar que esse homem existiu, o livro foi baseado na história dos sogros de Nicholas Sparks.
Eu vou parando por aqui, para não estragar os momentos mais intensos e emocionantes do livro para quem quiser ler. Chorei, chorei, chorei….
Não há ser humano que não se comova com uma bela história de amor, não é mesmo?!

Caderno de Noah – editora Objetiva  / Diário de uma paixão – editora Novo Conceito

 

IMG_2825[1]