1408 – Stephen King

 Até então, nunca tinha tido a oportunidade de ler Stephen King, sempre tive vontade, pois assisti vários filmes baseados em seus livros e contos que adorei, então imaginava como de costume, que os livros fossem melhores ainda. Pois bem, recentemente tive a oportunidade de ter em mãos “Tudo é eventual”, uma coletânea de 14 contos de Stephen King e decidi ler esse conto 1408, do qual eu já tinha ouvido falar e inclusive tem um filme também com o John Cusack. Mike Enslin é um cético escritor de histórias mal assombradas e de fantasmas e pesquisando por algo especial para o seu novo livro, ele decide se hospedar no quarto 1408 do hotel Dolphin, famoso por ter ocorrido uma série de suicídios ali e nenhum hóspede ter saído com vida. Porém quando ele chega ao hotel, o gerente Olin, passa longas horas, tentando convencer Mike a não ficar naquele quarto e o alertando sobre algo sobrenatural e inexplicável que existe lá, confesso que essa parte é um pouquinho cansativa, mas a escrita de King é tão envolvente que isso não me desanimou a querer saber o que viria adiante. Mike ignora os avisos de Olin e acha tudo uma grande coincidência e por seu ceticismo falar mais alto, ele se hospeda no quarto 1408. Realmente coisas bem estranhas começam a acontecer, mas tudo o que se passa daqui pra frente é pura pressão psicológica, pois é você quem vai decidir se tudo o que acontece no quarto 1408, acontece de fato ou é fruto da imaginação de Mike. A resenha vai ser curtinha mesmo, para não ter spoiler, mas gostaria de deixar registrado aqui, que adorei ler esse conto de Stephen King, tanto que já comprei outro livro que há tempos procuro “As quatro estações”.

Por sinal, para quem gosta de Stephen King a Amazon está com uma ótima promoção dos livros dele, tem livros por menos de R$20,00 e frete super barato. Não sei até quando.. Aproveitem.

 

Um grande beijo e até a próxima…

Os olhos de Julia

Olá pessoal! A resenha de hoje é para falar de um filme de suspense que vai te deixar literalmente de olhos bem abertos.

Eu estava dormindo e acordei de madrugada meio sem sono, liguei a tv e não consegui mais desgrudar os olhos da tela, lá estava um dos melhores filmes de suspense que já vi, daqueles que te deixam tenso, sem fôlego e completamente sem sono, “Os olhos de Julia”.

Julia (Belén Rueda) e sua irmã tem um problema congênito de visão que vai fazendo com que aos poucos elas ceguem. Julia recebe a notícia de que sua irmã teria cometido suicídio, mas apesar das provas da polícia ela não acredita que sua irmã tenha se matado e resolve investigar o caso por conta própria, mesmo contra a insistência do marido para que ela aceite os fatos e não mexa mais nisso. Mas Julia sempre tem a sensação de ser observada por um homem que ela não consegue saber quem é, só vê o vulto dele e isso faz com que ela pense que tem algo a mais nessa história. Nesse meio tempo seu marido morre e a causa também é suicídio. Enquanto Julia corre atrás de pistas para saber o que realmente está acontecendo, ela vai perdendo a visão e o filme nos faz emegir no universo de uma pessoa cega, nos dando a certeza de que esse é nosso sentido mais importante. No decorrer de sua busca ela se depara com pessoas estranhas e suspeitas como o enfermeiro destinado a ajudá-la depois que ela faz um transplante de córneas e fica sem enxergar nada, seu vizinho pirado e uma senhora cega, pessoas que não sabemos quais são suas reais intenções. Não faltam surpresas e quando você acha que pegou o fio da meada, eis que surge uma novidade, e no final Julia estava mesmo certa, tinha muito mais por trás da morte da irmã.

O filme é espanhol, os atores são muito bons e o enredo é muito bem desenvolvido por Guillen Morales e Guilherme Del Toro. Um filme de suspense no exato sentido da palavra, valeu a pena minha insônia.

Se você como eu, é amante dos filmes de suspense, não perca tempo, este vai te arrepiar!