A menina da Montanha

Este livro conta a história autobiográfica da Tara Westover. Ela discorre os acontecimentos desde que tinha 7 anos até os dias atuais com seus trinta e poucos anos, tudo se passa no final dos anos 80, década de 90 pra cá.

Tara e seus 7 irmãos, vivem numa família nada convencional em Idaho Estados Unidos, adeptos do mormonismo, seu pai Gene Westover é um fanático religioso com traços de bipolaridade, que acredita que o mundo vai acabar no ano 2000 e por isso faz a mulher e os filhos estocarem  comida e gasolina em um abrigo que ele fez em casa, onde acredita que estarão salvos e abastecidos. Tara e os irmãos não vão à escola, pois o pai acredita que o governo faz lavagem cerebral nas crianças e também nunca foram ao hospital porque ele não acredita nos médicos e todo ferimento não importa a gravidade é tratado em casa pela mãe que é uma espécie de curandeira e parteira. As crianças não tem certidão de nascimento e os pais nem sabem ao certo a idade delas. A mãe também é responsável pela educação dos filhos em casa, mas eles não dão muita importância a isso, já que as crianças tem que ajudar o pai no ferro velho. Não me lembro de ter lido outro livro onde eu sentisse tanta raiva de um personagem como do pai de Tara, levando em consideração que aqui o personagem é real e toda essa bizarrice aconteceu de fato e o mais surreal é que não faz tanto tempo assim… Ao mesmo tempo que ele expõe a família o tempo todo à perigos absurdos e nunca aprende com o erro, além de não aceitar ser contestado ele também os surpreende com momentos de alegria e afeto. A mãe nem sempre concorda, mas é totalmente submissa ao marido. Essa menina Tara, que é apenas uma criança, vive situações inacreditáveis, e os pais que deveriam protegê-la são os próprios responsáveis, e como se não bastasse, ela ainda tem que enfrentar a violência do seu irmão Shawn. Até que um dia seu irmão mais querido Tyler, prevendo o tipo de vida que teria, resolve ir embora de casa para estudar e quando ele volta acaba convencendo Tara que ela deve fazer o mesmo. No entanto, é uma situação tão complexa, porque aqui nós compreendemos como é importante tudo o que acontece  na nossa infância, o quanto nós somos moldados pela nossa família, pelas pessoas que nos criam, nos educam, como esse laço é forte. E é tão triste, porque essa família faz tão mal à essa garota, que quando ela resolve fazer algo para ajudar a si própria, ela ainda se sente culpada, se sente traidora, pensa que não está sendo uma boa filha. Mas graças a educação que ela vai adquirindo ao longo do caminho, ela vai criando confiança em si mesma e consegue dar a volta por cima.Creio que antes de mais nada, este livro é sobre o poder transformador da educação, de compreendermos nas entrelinhas a importância de como o conhecimento, o estudo e a leitura nos traz entendimento sobre o mundo, sobre a vida.

Editora Rocco

Anúncios

A morte de Ivan Ilitch – Tolstói

Esse foi o primeiro livro de literatura russa que eu li, e cara, vou falar: que livro maravilhoso! Posso dizer que foi com esse livro que senti aquele famoso soco no estômago da literatura.

A história é super curtinha e a linguagem não é difícil, o mais complicado são os nomes russos, rs… Apesar de ser uma novela curta, é tão profundo, te toca tão fundo na alma, que é difícil explicar e conseguir passar o que é realmente esta obra.

O livro começa contando a história de Ivan Ilitch, um juiz respeitado de família aristocrata do século XIX, que morre ainda no primeiro capítulo. (Isso não é spoiler, tá… Está na sinopse e no próprio título). E seus colegas de trabalho e carteado recebem a notícia com certa aflição, não pela morte, mas pelas promoções que surgirão para esses e seus parentes com a morte de Ivan Ilitch. Então voltamos no tempo, onde temos acesso à todos os acontecimentos de sua vida até então. E como toda pessoa a beira da morte, Ivan Ilitch faz uma reflexão de toda a sua vida e busca um sentido para ela, mas de uma forma genial, ele faz críticas não só a aristocracia e burguesia russa da época, mas da vida que nos é imposta pela sociedade e acatamos como sendo o correto. Uma vida muitas vezes, regada à superficialidade, um bom emprego, um bom casamento, filhos e ele se descobre totalmente infeliz e solitário no meio de tudo isso, e até culpa de certa forma a família por essa infelicidade. Família essa, que não lhe dá a devida atenção e preocupa-se mais em como sobreviver sem o salário dele, sentindo-se em paz com a própria consciência. Ele só consegue se sentir à vontade com seu empregado Gerassim, o único que se mostra realmente sincero com ele, pois esse não preocupa-se com a opinião da sociedade. Ivan descobre que tudo o que viveu até agora foi uma grande mentira e só consegue enxergar algum sentido para sua vida na fase da infância e nesse momento agora da sua morte que ele acredita estar vivendo de verdade. Nesses momentos, através de acontecimentos banais, somos expostos à toda miséria do ser humano, ele questiona nossa incapacidade de se compadecer do sofrimento alheio, com gestos simples ele nos evidencia que quando o fazemos é falso ou por obrigação.

Nos seus últimos momentos, ele ainda afirma que a terrível dor física que sente não é nada perto da dor moral de ter vivido uma vida de mentira tão difícil de admitir para si próprio. Então ele se confessa com um padre, o que lhe causa certo alívio e através de um gesto de amor de seu filho de 14 anos ele aceita que talvez possa ser perdoado. E aí segue a cena de morte mais bem escrita e comovente de toda a literatura, pelo menos da literatura conhecida por mim.

A vocês que leram, peço desculpas se essa resenha se torna rasa, diante da grandiosidade desta obra, me esforcei para tentar expressar para vocês pelo menos 1/3 do que esta história causou em mim.

Como dizem as notas do tradutor: “Todos saímos deste livro, um pouco mais inteligentes e humanizados”.

Por lugares incríveis

Esta é a história de Violet Markey e Theodore Finch ou parte dela.

 

Violet tinha uma vida perfeita, era linda, popular, tinha muitos amigos e um namorado incrível. Adorava escrever e tinha uma revista on-line com sua irmã Eleanor, era feliz e cheia de planos, mas tudo muda quando Violet e Eleanor sofrem um acidente de carro e Eleanor morre. Violet sente-se culpada pela morte da irmã, pára de escrever, e vive agora isolada tentando achar um motivo para continuar vivendo.

Já Theodore Finch é o contrário, ele é conhecido como o garoto problema da escola, seu apelido é aberração, tem um pai violento, uma família distante e luta com momentos depressivos. Violet conta os dias para a formatura quando pretende ir para nova York estudar e Finch pesquisa várias formas de suicídio. Numa de suas inúmeras tentativas de suicídio ele vai para o alto da torre do sino da escola e lá encontra Violet com a mesma intenção, mas ela desiste e não está conseguindo sair dali, então Finch a salva e a ajuda sair lá de cima, no entanto eles combinam de dizer que foi Violet quem salvou Finch, afinal ele já é mesmo o garoto problema e isso vai facilitar as coisas para Violet.

Os capítulos do livro são narrados por Violet e Finch alternadamente, assim temos a visão de ambos da história. Depois deste dia Finch começa a prestar mais atenção em Violet e meio que forçadamente eles irão fazer um trabalho de geografia juntos e irão visitar lugares incríveis de Indiana, estado onde vivem. Achei muito bacana que no final do livro tem um mapa com todos os lugares por onde eles passaram e todos aqueles lugares mágicos existem de verdade. Nessas andanças como eles dizem, eles encontram um no outro muito mais que um amigo e Violet começa a “viver” novamente e percebe que o Finch como na maioria das vezes na vida real, não é nem de longe aquilo que seus amigos da escola dizem.

O livro trata questões sérias como o suicídio, bullying, transtorno bipolar e como muitos jovem são nigligenciados pela família e pela sociedade de uma forma geral, mas a história nos é contada de forma tão sutil que embora haja tristeza nesses temas, é uma leitura leve, agradável, não queremos largar o livro. Tem muitas passagens bonitas que nos fazem refletir como por exemplo esta frase dita por Violet, “nem sempre podemos enxergar o que os outros não querem que a gente veja. Principalmente, quando se esforçam tanto para esconder.”

Não vou dizer muito mais sobre a história, pois sei que já ouviram falar muito deste livro e não quero dar spoiler e estragar a leitura de quem ainda não conhece.

Embora o final seja um tanto previsível, não deixa de surpreender. Li o último capítulo tensa, imaginando o que ia acontecer mas não querendo acreditar. Chorei, mas é uma história muito querida, todo mundo deve ler e tentar nem que seja por um momento, antes de qualquer julgamento vestir a pele do outro.

 

E vamos nos conscientizar que bullying não é legal, brincadeira é quando as duas partes se divertem, isso pode acarretar sérios problemas para a vida da pessoa. Na dúvida, não façamos com os outros aquilo que não gostaríamos que fizessem conosco!

Tel: CVV (Prevenção ao suicídio) 188

IMG_0139[1]

 

Rita Lee uma autobiografia

 

Para fãs de música e da cantora, como eu, este livro é um presente, leitura fácil, agradável e que desenrola com naturalidade, parece mais que sentamos à mesa para um café da tarde com a Rita e ela nos surpeende com suas histórias.

Rita Lee começa seu relato desde a infância, passando pelo casarão onde moravam, o relacionamento com os pais e as irmãs até os dias atuais e não poupa nada nem ninguém, tão pouco a si mesma.

Crescemos com ela, passamos pela deliciosas décadas de 60 e 70, seu ingresso no “show business” e tudo o que rolava dentro e fora dos bastidores, desde de o uso de drogas, sua amizade com Elis Regina, a relação com outros artistas, a conturbada fase do nos Mutantes, Tuti Frutti, a parceria com Roberto de Carvalho e seu amor pelos bichos que se faz presente em todos os momentos.

Em alguns trechos contamos com a ajuda de um fantasminha “Phantom” que acrescenta alguns detalhes as histórias, que a memória falha de Rita, como ela mesma define, acaba deixando de lado.

Já li críticas a respeito do livro, chamando Rita de rancorosa pela forma pouco amistosa que ela fala dos Mutantes reconhecido internacionalmente e dos irmãos Claudio, Sergio e Arnaldo Baptista, este conhecido por muitos por sua “genialidade”.

Eu sinceramente, não consegui enxergar dessa forma, acredito apenas que ela tenha contado um lado dos acontecimentos desconhecido do público. Sabe aquela história, nunca deseje conhecer seu ídolo pessoalmente!? Pode até ser que ainda existam mágoas sim, mas não creio que isso possa afetar de alguma maneira a opinião de quem é fã dos mutantes e do Arnaldo Baptista, acho que a intenção era só dizer, olha, aquelas notícias que você leu nas revistas, nos jornais e em alguns livros por mais que te agradem, não era bem assim… Enfim, desavenças a parte, ela nos conta muitas histórias incríveis sobre os bastidores da música. Em muitos momentos a gente deseja ter vivido naquela época e de certa forma vivemos, porque é essa a sensação que o livro nos causa. Rita nos fala de absolutamente tudo até seu problema com o álcool, são histórias engraçadas, tristes e felizes que nos fazem entender um pouco o porque dela ser considerada a maior roqueira do país.

Bem, minha impressão final do livro, é que Rita nos conta a história de sua vida sem papas na língua, mas de forma consciente e feliz, acho suas conclusões ao final do livro fantásticas, dignas de uma grande mulher e compreendi porque tão rápido ele se tornou um best seller. Eu seria capaz tranquilamente de ouvir suas histórias por mais uns 3 livros, rsrs…

Deixo aqui para vocês um frase do livro que acho genial (isso não é spoiler), é só para ficarem com um gostinho de quero mais.

“Se um belo dia você me encontrar pelo caminho, não me venha cobrar que eu seja o que você imagina que eu deveria continuar sendo. Se o passado me crucifica, o futuro já me dará beijinhos.”

Não se preocupem, esse não é o final, ok!? Leiam, vale a pena!

Bjs e até a próxima…

rita lee 3

 

 

Mais forte que o mundo – A história de José Aldo

Não posso me considerar propriamente uma fã de UFC, nem tão pouco conhecedora de regras, golpes e etc… Porém o filme tem a direção de Afonso Poyart, diretor de filmes conceituados (Presságios de um crime e 2 coelhos), além de não se tratar de uma história sobre a luta e sim sobre o lutador. E embora o filme tenha estreado meses após José Aldo sofrer uma derrota por nocaute contra Conor Mcgregor no ano passado, isso em nada compromete a sua história.

Muito bem interpretado por José Loreto, José Aldo foi criado na periferia de Manaus, influenciado pela violência local, seu comportamento sempre fora explosivo e ainda tinha que lidar com a sua desajustada família. Seu pai, Seu José (Jackson Antunes) era alcoólatra e além de estar sempre bêbado, ainda batia na sua mãe Rosilene (Claudia Ohana), que se comportava de forma omissa. Por conta disso José Aldo tinha uma péssima relação com seu pai e tinha dificuldades de lidar com aquele que ao mesmo tempo era seu herói e seu maior vilão. Então ele vê na luta a ponte para a sua liberdade, a fuga daqueles problemas rotineiros e acreditando em seu potencial como lutador, ele se muda para o Rio de Janeiro e vai morar num quartinho de academia com seu amigo Marcos Loro (Rafinha Bastos). José Aldo faz de tudo um pouco para se manter, até conseguir a confiança do treinador Dedé Perdeneiras (Milhem Cortaz), que resolve treiná-lo, depois que Aldo se envolve numa briga na lanchonete em que trabalhava. Na academia ele também conhece Vivi (Cleo Pires), com quem vive um romance e acaba casando. Vivi tem grande responsabilidade na trajetória e no sucesso de José Aldo.

Gosto muito das cenas em câmera lenta que evidenciam os movimentos dos treinos e das lutas, efeito já visto em outros filmes, mas que casou bem aqui.

Voltando, desde que começou a treinar, José Aldo nunca decepciona, pelo contrário, sempre surpreende o treinador com seu potencial, sua vontade e eu diria até necessidade de vencer na vida e provar a si mesmo que se tornou um homem diferente de seu pai o faz subir degrau por degrau até o topo.

Acredito que o sucesso não só do filme, mas do atleta se deve principalmente ao fato de que Aldo é gente como a gente, é do povo, e nunca renegou suas origens. Apesar de tudo que o envolve, conseguimos perceber desde o começo sua essência boa, o homem de verdade por trás do mito. José Aldo é o cara! O filme é forte, objetivo, coeso. Gostei!

mais forte que o mundo 2.jpg

Conta Comigo / Stand By Me

Nenhum outro filme me remete à infância de forma tão nostálgica como esse, “conta comigo”, foi baseado em um conto de Stephen King, chamado ” o outono da Inocência”, texto esse que ainda não tive a sorte de encontrar para ler. Dirigido por Rob Reiner, o filme é de 1986 (antiguinho). Quantas vezes me sentei no sofá de casa para gritar junto com meu irmão “bola de sebo, bola de sebo, bola de sebo” (quem assistiu vai me entender), e desfrutar dessa bela sessão da tarde… Bons tempos, doces lembranças!
A história tem início a partir das lembranças do agora escritor Gordie Lachance (Wil Wheaton), da sua infância e de seus três inseparáveis amigos, Tedd Duchamp (Corey Feldman), Chris Chambers (River Phoenix) e Vern Tessio (Jerry O’ Connell).

conta-2

Os quatro se reúnem devido ao desaparecimento de um garoto que eles suspeitam onde possa estar o cadáver, então resolvem partir rumo à essa aventura. Tudo se passa em Castle Rock no Oregon em 1959, época em que os garotos tinham entre 12 e 13 anos. Cada um deles tem suas características pessoais e todos vivem algum contratempo em casa com suas famílias, Gordie por exemplo, vive com os pais que nunca superaram a morte de seu irmão e se comportam como se não tivessem outro filho, Teddy vive constrangido com o seu pai lunático, já Chris que é visto como um delinqüente na cidade, é justamente o mediador de conflitos do grupo.
Durante todo o percurso e o tempo que passam juntos, muitas coisas acontecem e a maneira como eles lidarão com esses acontecimentos, é que marcará suas vidas para sempre. Eles estreitam muito seus laços de amizade, amadurecem e passam pela primeira vez a enxergar as coisas ao redor deles unicamente com seus próprios olhos, eles conversam sobre seus problemas familiares, ficam a vontade como nunca antes, para dizerem uns aos outros como se sentem e como aquilo os afeta. Eles se ajudam e se apoiam num comportamento típico dos verdadeiros amigos e é interessante notar como diferentemente dos tempos atuais, não é preciso grandes gestos ou demonstrações para que cada um compreenda como é recíproco o afeto que os une. A essa altura, é claro que o motivo pelo qual se reuniram, encontrar o cadáver do garoto desaparecido, já ficou para segundo plano, mas um acontecimento em especial fará com que nunca se esqueçam desse encontro. Tudo, ao som de uma das mais belas melodias “Stand By me” (Ben E. King). “Conta Comigo” é bonito, sutil, muitas vezes engraçado e com certeza vai te fazer voltar no tempo e sentir saudades das suas aventuras com seus amigos de infância, mesmo que no meu caso, você cresça e perceba que tinha um ou outro que não eram tão amigos como você pensava, mas os que valem a pena, ahh esses sim, ficam para sempre.

http://vacanerd.com.br/37-fatos-e-curiosidades-sobre-o-filme-conta-comigo/

As irmãs Harker/ Mina Ford

Mina Ford é uma escritora não muito conhecida, me parece que é inglesa, já tentei pesquisar na Internet sobre ela, mas para minha surpresa, nada encontrei.

Aqui no Brasil, só encontrei 2 livros traduzidos, “O casamento de mentirinha de Katie Simpson” e “As irmãs Harker”. O que sei dela, são as informações que constam no livro, estudou letras e passou um ano na França, antes de trabalhar para uma empresa de mídia em Londres. Depois foi para a relativa tranqüilidade de Bath na Inglaterra, onde escreveu seu primeiro romance.

Este livro, “As irmãs Harker”, me surpreendeu, já li faz bastante tempo, então peço desculpas se algum fato não tiver descrito exatamente como no livro. Não sei porque alguns livros pouco interessantes fazem tanto sucesso, enquanto outros tão bons não fazem, é o caso desse livro, ele tem 414 páginas que a gente não vê passar.

Hermione e Harriet são irmãs gêmeas idênticas, mas opostas na personalidade, Hermione sempre foi a mais popular,a mais sensual, a mais charmosa, enquanto Harriet era mais tímida, mais na dela, apesar disso sempre foram muito unidas. No entanto, uma noite seus pais saem para jantar fora e elas resolvem fazer uma festinha de aniversário em casa. No decorrer da festa, Harriet sai procurando seu namorado Will pela festa, para apresentá-lo a sua irmã que tinha chegado de viagem, quando o encontra, eis a surpresa, ele e Hermione estavam se beijando.Os dois já se conheciam. As irmãs brigam, Harriet fica muito brava com Hermione e o namorado e como se não bastasse ainda chega a polícia para avisar-lhes que seus pais sofreram um acidente de carro fatal. No momento em que elas mais precisam uma da outra, elas estão brigadas, Harriet fica na cidade inglesa de Bath e Hermione vai para o Canadá, as duas ficam 15 anos sem se falar e sem saber uma da outra, nem um telefonema.

Nesse tempo Mina Ford dedica um capítulo a nos contar sobre Harriet e outro sobre Hermione e assim sucessivamente.

Harriet acabou de se separar e já está de olho em Jesse, seu vizinho bonitão e cheio de charme, Hermione acaba de saber que está grávida, porém o pai de seu filho é casado! Assim segue a vida das duas, cheias de conflitos e desencontros até que alguns acontecimentos e alguns amigos resolvem reaproximá-las… Quer saber o que acontece daqui para frente? Leia “as irmãs Harker”. Um livro que fala sobre família, amizade e amor, com personagens envolventes e engraçados, você vai ver essas 414 páginas voarem na sua frente!

Editora Record