Uma curva no tempo / Dani Atkins

Este livro foi uma grata surpresa, pois não é o tipo de livro que costuma me chamar a atenção, mas depois de ver alguns vídeos de booktubers, acabei ficando curiosa e gostando muito.

 

A história se passa em setembro de 2008 na cidade de Great Bishopsford, Rachel Wiltshire e seus amigos vão para a faculdade em diferentes lugares e portanto se separarem, então se reúnem num restaurante para a despedida. Porém durante o jantar,um carro desgovernado quebra a vidraça e invade o restaurante atingindo a mesa onde estavam. Rachel só conseguiu se safar pois seu amigo Jimmy acaba morrendo para salvá-la. Passam-se cinco anos e Rachel ainda guarda seqüelas físicas e emocionais, ela se culpa pela morte de Jimmy, ficou com uma grande cicatriz no rosto que ela esconde com o cabelo, sente fortes dores de cabeça, vive isolada e sua vida é completamente diferente do que ela planejara, nem a faculdade de jornalismo que era seu sonho ela fez. Agora eles estão prestes a se reencontrar num jantar que vai acontecer antes do casamento de Sarah, sua melhor amiga. Rachel só aceita ir mesmo porque sabe que Sarah faz questão de sua presença, mas acaba ficando ansiosa para reencontrar todos inclusive Matt seu antigo namorado, que acaba confessando a ela nesse jantar que nunca à esqueceu mesmo estando com outra pessoa. Já faz algum tempo que Rachel está adiando as consultas médicas para realizar novos exames devido as dores de cabeça em decorrência do acidente. No dia em que volta do jantar, ela resolve encarar os fatos e vai pela primeira vez visitar o túmulo de Jimmy, mas ela acaba passando mal e desmaiando no cemitério. Quando acorda está no hospital,   e fica sem entender nada, pois seu pai que estava com câncer e muito abatido, parecia curado, Jimmy está vivo e ela agora é noiva de Matt, trabalha como jornalista e tem um emprego conceituado. Então ela tenta a todo custo convencer a todos que aquilo não pode ser verdade, que sua realidade era outra bem diferente e os médicos à   diagnosticam com amnésia. E agente vai especulando para saber o que de fato aconteceu.

 

A escrita de Dani Atkins é muito gostosa e se for curioso (a), vai ler o livro facilmente em um dia. O final é um tanto óbvio, mas a história é tão bem escrita e envolvente que em momento algum pensei nesse desfecho. É emocionante e muito bonito.

Fiquei curiosa para ler outros livros da autora.

 

A capa é linda soft touch, da editora Arqueiro.

IMG_4570[1]

 

 

 

 

 

Anúncios

Joyland / Stephen King

145

Olá queridos amigos e leitores, primeiramente quero desejar-lhes um excelente 2018 com muita saúde (em 2017 eu senti na pele o quanto isso é importante),amor e empatia. Vamos a primeira resenha do ano, um pouco atrasada mas acho que é perdoável, levando em consideração que ainda estou em tratamento de radioterapia.

 

Eu já havia lido alguns contos do King, mas esse foi o primeiro livro mesmo que li o autor, inclusive acho um bom livro para quem nunca leu nada dele e tem vontade.

Devo começar dizendo que essa leitura, é uma leitura mais leve, não se trata propriamente de um livro de terror, que desperta o medo do leitor, nada disso. Eu diria que é um livro de suspense, com a agradável escrita do Stephen King, que nos cativa desde o primeiro momento. Sentei com um pouco de pressa para ler algumas páginas e apenas sentir do que se tratava a história e só consegui parar na página 55.

A história se passa na Carolina do Norte na década de 70, mas precisamente em 1973, Devin Jones conta a história 40 anos depois, ele é um universitário extremamente interessante fã de Pink Floyd e Tolkien, depois de terminar um namoro e perder aquela que ele julga ser seu grande amor, ele está pra baixo e resolve aceitar um emprego temporário num parque de diversões, trabalho comum entre os universitários locais. Lá ele se destaca, e faz vários amigos como Tom e Erin com quem passa a maior parte do outono. No parque que está longe de ser uma Disney há uma lenda sobre uma moça chamada Linda Gray, ela foi morta há anos no parque e muitos dizem vê-la no trem fantasma, seu assassino nunca foi pego e a história é cheia de mistérios que Devin e Erin resolveram investigar por conta própria e o que eles vão descobrindo vai dando novos rumos a história. No entanto a vida de Devin começa a mudar mesmo a partir do momento em que ele conhece Annie e seu filho Mike um garoto que tem um dom especial. Não é spoiler ta gente!? Isso está escrito na orelhado livro… O livro tem apenas 240 páginas, é uma leitura fácil, prazerosa e muito bem escrita.

Acredito que a intenção do autor ao escrever este livro, não foi exatamente contar uma história de horror e medo que lhe são características, mas passar uma mensagem sobre os mistérios da vida, sobre amar, sofrer, envelhecer e sobretudo de como devemos aproveitara vida ao máximo, pois ela pode ser muito breve e sob esse ponto de vista em especial é que ele se torna tão agradável.

Indico este livro para quem, como eu já disse quer conhecer o autor, e para quem conhece mas ainda não leu este livro, vale para ver um lado mais leve do autor, mas não menos interessante.

 

Quem já leu diga o que achou aí nos comentários… Bjs e até a próxima!

Editora Suma de letras

 

 

 

Conta Comigo / Stand By Me

Nenhum outro filme me remete à infância de forma tão nostálgica como esse, “conta comigo”, foi baseado em um conto de Stephen King, chamado ” o outono da Inocência”, texto esse que ainda não tive a sorte de encontrar para ler. Dirigido por Rob Reiner, o filme é de 1986 (antiguinho). Quantas vezes me sentei no sofá de casa para gritar junto com meu irmão “bola de sebo, bola de sebo, bola de sebo” (quem assistiu vai me entender), e desfrutar dessa bela sessão da tarde… Bons tempos, doces lembranças!
A história tem início a partir das lembranças do agora escritor Gordie Lachance (Wil Wheaton), da sua infância e de seus três inseparáveis amigos, Tedd Duchamp (Corey Feldman), Chris Chambers (River Phoenix) e Vern Tessio (Jerry O’ Connell).

conta-2

Os quatro se reúnem devido ao desaparecimento de um garoto que eles suspeitam onde possa estar o cadáver, então resolvem partir rumo à essa aventura. Tudo se passa em Castle Rock no Oregon em 1959, época em que os garotos tinham entre 12 e 13 anos. Cada um deles tem suas características pessoais e todos vivem algum contratempo em casa com suas famílias, Gordie por exemplo, vive com os pais que nunca superaram a morte de seu irmão e se comportam como se não tivessem outro filho, Teddy vive constrangido com o seu pai lunático, já Chris que é visto como um delinqüente na cidade, é justamente o mediador de conflitos do grupo.
Durante todo o percurso e o tempo que passam juntos, muitas coisas acontecem e a maneira como eles lidarão com esses acontecimentos, é que marcará suas vidas para sempre. Eles estreitam muito seus laços de amizade, amadurecem e passam pela primeira vez a enxergar as coisas ao redor deles unicamente com seus próprios olhos, eles conversam sobre seus problemas familiares, ficam a vontade como nunca antes, para dizerem uns aos outros como se sentem e como aquilo os afeta. Eles se ajudam e se apoiam num comportamento típico dos verdadeiros amigos e é interessante notar como diferentemente dos tempos atuais, não é preciso grandes gestos ou demonstrações para que cada um compreenda como é recíproco o afeto que os une. A essa altura, é claro que o motivo pelo qual se reuniram, encontrar o cadáver do garoto desaparecido, já ficou para segundo plano, mas um acontecimento em especial fará com que nunca se esqueçam desse encontro. Tudo, ao som de uma das mais belas melodias “Stand By me” (Ben E. King). “Conta Comigo” é bonito, sutil, muitas vezes engraçado e com certeza vai te fazer voltar no tempo e sentir saudades das suas aventuras com seus amigos de infância, mesmo que no meu caso, você cresça e perceba que tinha um ou outro que não eram tão amigos como você pensava, mas os que valem a pena, ahh esses sim, ficam para sempre.

http://vacanerd.com.br/37-fatos-e-curiosidades-sobre-o-filme-conta-comigo/

Tomates verdes fritos

Muitas pessoas não assistiram esse filme por acharem que o nome lembrava mais um  daqueles “besteirois americanos”.
Ledo engano, Tomates verdes fritos é uma história sobre amizade entre duas jovens Idge e Ruth e de como essa história muda a vida de Evelyn uma dona de casa reprimida, que geralmente afoga suas mágoas comendo doces.
Idge e Ruth tem um café e fazem uma iguaria de grande sucesso na região: tomates verdes fritos, daí o nome do filme. Mas o tema central é mesmo a amizade e de como esse sentimento puro e desinteressado pode fazer bem às nossas vidas e até salvá-las.
Emocionante, o filme tem grandes surpresas e um final também surpreendente, vale muito a pena.

Lembrei agora de algo que ouvi certa vez e casa bem aqui.

“Os amigos é a forma que Deus encontrou de se desculpar pela família da gente”.

Infelizmente não encontrei nenhum trailer dublado ou legendado…