Por lugares incríveis

Esta é a história de Violet Markey e Theodore Finch ou parte dela.

 

Violet tinha uma vida perfeita, era linda, popular, tinha muitos amigos e um namorado incrível. Adorava escrever e tinha uma revista on-line com sua irmã Eleanor, era feliz e cheia de planos, mas tudo muda quando Violet e Eleanor sofrem um acidente de carro e Eleanor morre. Violet sente-se culpada pela morte da irmã, pára de escrever, e vive agora isolada tentando achar um motivo para continuar vivendo.

Já Theodore Finch é o contrário, ele é conhecido como o garoto problema da escola, seu apelido é aberração, tem um pai violento, uma família distante e luta com momentos depressivos. Violet conta os dias para a formatura quando pretende ir para nova York estudar e Finch pesquisa várias formas de suicídio. Numa de suas inúmeras tentativas de suicídio ele vai para o alto da torre do sino da escola e lá encontra Violet com a mesma intenção, mas ela desiste e não está conseguindo sair dali, então Finch a salva e a ajuda sair lá de cima, no entanto eles combinam de dizer que foi Violet quem salvou Finch, afinal ele já é mesmo o garoto problema e isso vai facilitar as coisas para Violet.

Os capítulos do livro são narrados por Violet e Finch alternadamente, assim temos a visão de ambos da história. Depois deste dia Finch começa a prestar mais atenção em Violet e meio que forçadamente eles irão fazer um trabalho de geografia juntos e irão visitar lugares incríveis de Indiana, estado onde vivem. Achei muito bacana que no final do livro tem um mapa com todos os lugares por onde eles passaram e todos aqueles lugares mágicos existem de verdade. Nessas andanças como eles dizem, eles encontram um no outro muito mais que um amigo e Violet começa a “viver” novamente e percebe que o Finch como na maioria das vezes na vida real, não é nem de longe aquilo que seus amigos da escola dizem.

O livro trata questões sérias como o suicídio, bullying, transtorno bipolar e como muitos jovem são nigligenciados pela família e pela sociedade de uma forma geral, mas a história nos é contada de forma tão sutil que embora haja tristeza nesses temas, é uma leitura leve, agradável, não queremos largar o livro. Tem muitas passagens bonitas que nos fazem refletir como por exemplo esta frase dita por Violet, “nem sempre podemos enxergar o que os outros não querem que a gente veja. Principalmente, quando se esforçam tanto para esconder.”

Não vou dizer muito mais sobre a história, pois sei que já ouviram falar muito deste livro e não quero dar spoiler e estragar a leitura de quem ainda não conhece.

Embora o final seja um tanto previsível, não deixa de surpreender. Li o último capítulo tensa, imaginando o que ia acontecer mas não querendo acreditar. Chorei, mas é uma história muito querida, todo mundo deve ler e tentar nem que seja por um momento, antes de qualquer julgamento vestir a pele do outro.

 

E vamos nos conscientizar que bullying não é legal, brincadeira é quando as duas partes se divertem, isso pode acarretar sérios problemas para a vida da pessoa. Na dúvida, não façamos com os outros aquilo que não gostaríamos que fizessem conosco!

IMG_0139[1]

 

Anúncios

Uma curva no tempo / Dani Atkins

Este livro foi uma grata surpresa, pois não é o tipo de livro que costuma me chamar a atenção, mas depois de ver alguns vídeos de booktubers, acabei ficando curiosa e gostando muito.

 

A história se passa em setembro de 2008 na cidade de Great Bishopsford, Rachel Wiltshire e seus amigos vão para a faculdade em diferentes lugares e portanto se separarem, então se reúnem num restaurante para a despedida. Porém durante o jantar,um carro desgovernado quebra a vidraça e invade o restaurante atingindo a mesa onde estavam. Rachel só conseguiu se safar pois seu amigo Jimmy acaba morrendo para salvá-la. Passam-se cinco anos e Rachel ainda guarda seqüelas físicas e emocionais, ela se culpa pela morte de Jimmy, ficou com uma grande cicatriz no rosto que ela esconde com o cabelo, sente fortes dores de cabeça, vive isolada e sua vida é completamente diferente do que ela planejara, nem a faculdade de jornalismo que era seu sonho ela fez. Agora eles estão prestes a se reencontrar num jantar que vai acontecer antes do casamento de Sarah, sua melhor amiga. Rachel só aceita ir mesmo porque sabe que Sarah faz questão de sua presença, mas acaba ficando ansiosa para reencontrar todos inclusive Matt seu antigo namorado, que acaba confessando a ela nesse jantar que nunca à esqueceu mesmo estando com outra pessoa. Já faz algum tempo que Rachel está adiando as consultas médicas para realizar novos exames devido as dores de cabeça em decorrência do acidente. No dia em que volta do jantar, ela resolve encarar os fatos e vai pela primeira vez visitar o túmulo de Jimmy, mas ela acaba passando mal e desmaiando no cemitério. Quando acorda está no hospital,   e fica sem entender nada, pois seu pai que estava com câncer e muito abatido, parecia curado, Jimmy está vivo e ela agora é noiva de Matt, trabalha como jornalista e tem um emprego conceituado. Então ela tenta a todo custo convencer a todos que aquilo não pode ser verdade, que sua realidade era outra bem diferente e os médicos à   diagnosticam com amnésia. E agente vai especulando para saber o que de fato aconteceu.

 

A escrita de Dani Atkins é muito gostosa e se for curioso (a), vai ler o livro facilmente em um dia. O final é um tanto óbvio, mas a história é tão bem escrita e envolvente que em momento algum pensei nesse desfecho. É emocionante e muito bonito.

Fiquei curiosa para ler outros livros da autora.

 

A capa é linda soft touch, da editora Arqueiro.

IMG_4570[1]

 

 

 

 

 

Entre quatro paredes / B. A. Paris

Li este livro depois de algumas resenhas que assisti em canais do youtube e confesso que há tempos não lia um thriller como esse, que me deixou literalmente sem fôlego, comecei na sexta e terminei na segunda, mas se você estiver com tempo livre, você lê fácil em um dia.

Jack Angel e Grace tem o relacionamento perfeito, eles dividem tudo, até o celular e a conta de e-mail, eles se conheceram e em seis meses, estavam casados. Eles moram numa mansão maravilhosa, Jack é um grande advogado especialista em defesas de violências contra mulheres, lindo, charmoso, gentil e bem sucedido é o sonho de toda mulher e os homens o invejam. Quando promovem jantares em casa, os amigos admiram a cumplicidade deles e também o talento de Grace na cozinha. Ela tem uma irmã, Millie que tem síndrome de Down e como foi rejeitada pelos pais quando nasceu, Grace que a adora, ficou como sua tutora e em breve pretende levá-la para morar com eles, já que devido ao trabalho de Grace antes do casamento, Millie vive em um internato. Porém, tanta perfeição não passa de uma grande farsa, (não é spoiler heim, isso já está escrito na capa do livro). Logo no começo já percebemos o que tem de errado ali e o porque disso acontecer. A história é narrada em primeira pessoa por Grace e os capítulos se alternam entre presente e passado, o que deixa a leitura ainda mais interessante.

A partir do momento em que compreendemos a situação bizarra daquele casal, é que começamos a torcer para uma coisa e outra acontecer e ficamos curiosos para saber como aquela situação aparentemente sem saída vai se desenrolar. É um livro pesado, que nos deixa tensos, mas é muito bem escrito, uma leitura muito prazerosa, difícil querer largar, e o final na minha opinião é sensacional, não deixa nem um pouco a desejar em relação ao resto do livro. Com certeza já entrou para a minha lista de preferidos.

Editora Record

Joyland / Stephen King

145

Olá queridos amigos e leitores, primeiramente quero desejar-lhes um excelente 2018 com muita saúde (em 2017 eu senti na pele o quanto isso é importante),amor e empatia. Vamos a primeira resenha do ano, um pouco atrasada mas acho que é perdoável, levando em consideração que ainda estou em tratamento de radioterapia.

 

Eu já havia lido alguns contos do King, mas esse foi o primeiro livro mesmo que li o autor, inclusive acho um bom livro para quem nunca leu nada dele e tem vontade.

Devo começar dizendo que essa leitura, é uma leitura mais leve, não se trata propriamente de um livro de terror, que desperta o medo do leitor, nada disso. Eu diria que é um livro de suspense, com a agradável escrita do Stephen King, que nos cativa desde o primeiro momento. Sentei com um pouco de pressa para ler algumas páginas e apenas sentir do que se tratava a história e só consegui parar na página 55.

A história se passa na Carolina do Norte na década de 70, mas precisamente em 1973, Devin Jones conta a história 40 anos depois, ele é um universitário extremamente interessante fã de Pink Floyd e Tolkien, depois de terminar um namoro e perder aquela que ele julga ser seu grande amor, ele está pra baixo e resolve aceitar um emprego temporário num parque de diversões, trabalho comum entre os universitários locais. Lá ele se destaca, e faz vários amigos como Tom e Erin com quem passa a maior parte do outono. No parque que está longe de ser uma Disney há uma lenda sobre uma moça chamada Linda Gray, ela foi morta há anos no parque e muitos dizem vê-la no trem fantasma, seu assassino nunca foi pego e a história é cheia de mistérios que Devin e Erin resolveram investigar por conta própria e o que eles vão descobrindo vai dando novos rumos a história. No entanto a vida de Devin começa a mudar mesmo a partir do momento em que ele conhece Annie e seu filho Mike um garoto que tem um dom especial. Não é spoiler ta gente!? Isso está escrito na orelhado livro… O livro tem apenas 240 páginas, é uma leitura fácil, prazerosa e muito bem escrita.

Acredito que a intenção do autor ao escrever este livro, não foi exatamente contar uma história de horror e medo que lhe são características, mas passar uma mensagem sobre os mistérios da vida, sobre amar, sofrer, envelhecer e sobretudo de como devemos aproveitara vida ao máximo, pois ela pode ser muito breve e sob esse ponto de vista em especial é que ele se torna tão agradável.

Indico este livro para quem, como eu já disse quer conhecer o autor, e para quem conhece mas ainda não leu este livro, vale para ver um lado mais leve do autor, mas não menos interessante.

 

Quem já leu diga o que achou aí nos comentários… Bjs e até a próxima!

Editora Suma de letras

 

 

 

Ensaio sobre a cegueira

Resenhar um livro de Saramago é tarefa complexa, pois tudo o que eu disser, parecerá banal diante da dimensão da literatura deste grande autor.
Acho que a frase deste livro que melhor traduz o sentido da história é essa, “ainda está por nascer o primeiro ser humano desprovido daquela segunda pele a que chamamos egoísmo, bem mais dura que a outra, que por qualquer coisa sangra”.
Uma inexplicável epidemia de cegueira, a qual chamam de cegueira branca, atinge uma cidade, o primeiro a ser contaminado por assim dizer, é um homem que está dirigindo no trânsito e de repente se depara com uma superfície branca, daí o nome, e pouco a pouco vai se espalhando. Alguns deles se encontram no consultório do Dr. oftalmologista, que também acaba cegando, a única a não cegar é a mulher do médico. O governo achando se tratar de um mal contagioso, começa isolar todos os cegos num sanatório desativado da cidade, onde passam a viver sob condições subumanas, sem comida, sem roupas limpas, água e etc… Nessas condições as pessoas vivem como animais realmente e se relacionam sem quaisquer resquícios de vaidade ou julgamento. Um dia depois de uma grande confusão acontece um incêndio e eles se veem livres dessa prisão. Há um grupo de personagens peculiares que permanecem juntos, porém o mundo lá fora já não é o mesmo.
Não quero dar spoiler, então o que posso dizer à vocês é que o “ensaio sobre a cegueira”, abrange vários assuntos mas tem como tema central o egoísmo e a superficialidade com a qual vivemos no mundo contemporâneo, é como se diante disso, não merecessemos enxergar, para que a visão, se somos capazes de enxergar apenas nossos próprios interesses!?
“Cegueira é também a insensibilidade e a indiferença diante do infortúnio do outro”.
Não poderia deixar de mencionar esse trecho descrevendo o companheirismo e a alegria fortuita dos animais e que é tão lindo… “Tem, porém, a palavra comida poderes mágicos, mormente quando o apetite aperta, até o cão das lágrimas, que não conhece a linguagem, se pôs a abanar o rabo, o instintivo movimento fê-lo recordar-se que ainda não tinha feito aquilo a que estão obrigados os cães molhados, sacudirem-se com violência, respingando quanto estiver ao redor, neles é fácil, trazem a pele como se fosse um casaco. Água benta da mais eficaz, descida diretamente do céu, os salpicos ajudaram as pedras a transformarem-se em pessoas”.
Ao contrário de muitos livros, esta história não termina com um grande final que esclarece todos os acontecimentos, as respostas estão o tempo todo dentro da própria história e se você não for acometido pela cegueira branca, vai conseguir enxergar.

Obs: Trailer do filme, mas o livro é sempre melhor…

1408 – Stephen King

 Até então, nunca tinha tido a oportunidade de ler Stephen King, sempre tive vontade, pois assisti vários filmes baseados em seus livros e contos que adorei, então imaginava como de costume, que os livros fossem melhores ainda. Pois bem, recentemente tive a oportunidade de ter em mãos “Tudo é eventual”, uma coletânea de 14 contos de Stephen King e decidi ler esse conto 1408, do qual eu já tinha ouvido falar e inclusive tem um filme também com o John Cusack. Mike Enslin é um cético escritor de histórias mal assombradas e de fantasmas e pesquisando por algo especial para o seu novo livro, ele decide se hospedar no quarto 1408 do hotel Dolphin, famoso por ter ocorrido uma série de suicídios ali e nenhum hóspede ter saído com vida. Porém quando ele chega ao hotel, o gerente Olin, passa longas horas, tentando convencer Mike a não ficar naquele quarto e o alertando sobre algo sobrenatural e inexplicável que existe lá, confesso que essa parte é um pouquinho cansativa, mas a escrita de King é tão envolvente que isso não me desanimou a querer saber o que viria adiante. Mike ignora os avisos de Olin e acha tudo uma grande coincidência e por seu ceticismo falar mais alto, ele se hospeda no quarto 1408. Realmente coisas bem estranhas começam a acontecer, mas tudo o que se passa daqui pra frente é pura pressão psicológica, pois é você quem vai decidir se tudo o que acontece no quarto 1408, acontece de fato ou é fruto da imaginação de Mike. A resenha vai ser curtinha mesmo, para não ter spoiler, mas gostaria de deixar registrado aqui, que adorei ler esse conto de Stephen King, tanto que já comprei outro livro que há tempos procuro “As quatro estações”.

Por sinal, para quem gosta de Stephen King a Amazon está com uma ótima promoção dos livros dele, tem livros por menos de R$20,00 e frete super barato. Não sei até quando.. Aproveitem.

 

Um grande beijo e até a próxima…

Se houver amanhã / Sidney Sheldon

De todos os livros do Sidney Sheldon que eu já li e eu li vários, considero esse o melhor ” Se houver amanhã”, a história de Tracy Whitney é envolvente, daquelas que temos dificuldade de parar a leitura. Embora, eu tenha deixado de ler Sidney Sheldon, pois depois de alguns livros, eu sempre adivinhava como ia terminar, estou curiosa para ler a continuação, “Em busca de um novo amanhã”, que foi lançado em novembro do ano passado. E me parece que ainda tem alguns livros dele para serem lançados, quando ele morreu, deixou alguns livros escritos pela metade e colocou em testamento que queria que a Tilly Bagshawe os terminasse, mas a família quer que outro escritor continue as histórias, então a situação dos livros está meio conturbada. (Coisas de família).

       Mas, voltando,Tracy Whitney é uma mulher bonita, inteligente, articulada e cativante como toda heroína de Sidney Sheldon. Ela tem uma vida bem estruturada e um relacionamento seguro, mas vê sua vida virar de cabeça para baixo, quando vítima de uma armação, ela é condenada e presa por um crime que não cometeu. Tracy estava grávida e noiva, mas perde o bebê, e o noivo à abandona, e ainda tem que lidar com a morte da mãe, também relacionada com a armação. Presa durante 15 anos e muito revoltada, passa por todos os horrores da cadeia, e quando tem a liberdade, a única coisa na qual ela consegue pensar é em vingança e para isso ela não mede esforços para atingir seus objetivos, e por outro lado, tenta seguir com a vida, mas o mundo não é nada gentil com um ex presidiário.

     Bom, é justamente dessa parte em diante, que a história fica mais interessante, cheia de tramas, golpes e surpresas. Também conhecemos o inescrupuloso Jeff, com quem Tracy compete de uma forma particular. As armações dela são tão ousadas, que muitas vezes duvidamos que aquilo possa dar certo ao mesmo tempo em que torcemos para essa heroína às avessas escapar de mais uma, já que agora ela se transformou em uma grande golpista e ainda tem que ter cuidado com um detetive particular que está na sua cola, louco para capturá-la. Se ela terá sucesso ou não na sua vingança, vou deixar que vocês descubram sozinhos.

     Como podem ver ação é o que não falta nesse livro, a leitura é fácil e rápida, já que não percebemos o tempo passar, e se gostarem e quiserem saber o que aconteceu na vida de Tracy muitos anos depois, leiam ” Em busca de um novo amanhã”. É o que eu irei fazer em breve!

Ambos da editora Record

em-busca-de-um-novo