Dias de abandono Elena Ferrante

Este foi o primeiro livro que eu li da Ferrante e fiquei impressionada com a força da sua narrativa.

Dias de abandono é um livro curto de 183 páginas, mas não se engane, apesar de rápido, ele é extremamente intenso e até pesado em alguns momentos. O livro conta a história de Olga, uma personagem muito bem construída que se vê completamente perdida, depois de ter sido abandonada com seus dois filhos e um cachorro pelo marido que a trocou pela filha de uma antiga amiga. Assim, passamos por toda a angústia vivida por Olga desde a ilusão de que essa decisão de Mário seu marido é passageira, o caos que beira a loucura até a realidade fincar-se diante de seus olhos, obrigando-a enxergar os fatos. Olga comete tantos atos insanos quanto é possível, desde transar com um vizinho à quem ela despreza até negligenciar a saúde do próprio filho. Sentimos vontade de mergulhar na história e “chacoalhar” a personagem, fazê-la acordar. Mas o que chama atenção na escrita da autora é a capacidade de transformar um acontecimento aparentemente comum e banal em algo grandioso, ela consegue traduzir os sentimentos mais íntimos da personagem com exatidão, algo até difícil de explicar, mas o leitor sente aquela atmosfera pesada e confesso que algumas vezes, tive que parar para respirar fundo e recuperar o fôlego. Outro fato importante do livro que deve ser citado, é a clara crítica feita em relação ao papel da mulher na sociedade e ao machismo não só italiano mas mundial que faz crer inclusive às próprias mulheres, que suas vidas só tem sentido enquanto existe um casamento e a figura do marido, sem a qual a vida da mulher perde a razão de ser. Isso fica claro em vários trechos da história, inclusive no final, quando a Olga começa  tomar consciência dos acontecimentos e aceita sair com uma amiga para se divertir, e esta amiga passa o tempo todo tentando lhe arrumar pretendentes, como se para ter uma vida novamente, ela necessitasse de um homem. Gosto muito da forma como essa “mulher” é tratada aqui na história, onde em momento algum, a autora tenta transformá-la numa heroína. Portanto não esperem  um “ grand finale” da mulher traída que deu a volta por cima, aqui somos apresentados à mulher comum, do cotidiano, com toda sua humanidade e imperfeição mas igualmente bela e real.

Editora Biblioteca azul

Este exemplar eu comprei na Amazon em março e paguei mais ou menos R$ 22,00 + frete.

Anúncios